13/05/2021 - Autor: Equipe Porankatu



Trilha: dicas do que é indispensável saber e levar

Compartilhe

Se você tem um espírito aventureiro e gosta de fazer trilha, alguns itens são indispensáveis!  Acompanhe nosso artigo e conheça o que é importante saber e levar para uma trilha. 

Devido à pandemia do Covid-19, muitas pessoas têm procurado meios alternativos de diversão e viagem, e a trilha é um deles. Devido ao isolamento, a procura por lugares isolados e em meio a natureza são muito maiores do que as buscas por viagens em locais lotados de gente e em regiões urbanas.

Fazer trilha é uma forma de diversão muito convidativa, e atrai os mais diversos olhares tanto de pessoas curiosas, quanto de pessoas medrosas, mas que topam arriscar. 

Não existe nada melhor para fazer uma trilha do que carregar os equipamentos certos, que serão funcionais em cada momento. 

A trilha em cada lugar depende de diversos fatores, portanto não existem itens universais para carregar quando se vai fazer uma trilha. Isso varia de acordo com o clima, relevo, vegetação, grupo, capacidades físicas, entre outros. Mas existem algumas dicas universais: o que é indispensável saber e levar para uma trilha. Acompanhe com a gente e esteja preparado para sua próxima aventura. 

Analisando o cenário da trilha

Onde e como será a trilha faz toda diferença no planejamento. Será uma trilha de nível leve, em terreno sempre plano, sem muitos obstáculos ou desníveis? Ou será uma trilha com subidas íngremes e escaladas em pedras? É úmido, tem muitas pedras e raízes que podem ser escorregadias? Será em ambiente aberto, com vegetação baixa, como pastos e pradarias, ou floresta densa e fechada? Vai passar dentro da água? Atravessar rios, riachos ou pequenas lagoas? Como viu, são muitos fatores a serem considerados por isso, vamos separar por partes:

Relevo

O principal intensificador de uma trilha normalmente é o desnível do solo. Se a trilha vai subir ladeiras ou se vai precisar escalar pedras, o nível de intensidade será maior que em uma trilha em terreno plano ou semi plano. Logo, quanto mais carga tiver na mochila, mais intensa será a subida.

Se informe quanto da trilha é subida e quanto é plano. Com isso irá determinar o nível de intensidade e isso refletirá nas decisões do que levar e quanto levar, devido ao peso e necessidade.

E para pessoas que possuam problemas nos joelhos, geralmente a descida é mais puxada, então, considere muito suas limitações.

Subindo pedras e escalando
Quanto mais desnivelado é o relevo, maior é o grau de dificuldade da trilha.

Vegetação

Esse item influencia diretamente na sua vestimenta. Caso for um ambiente aberto, isso possibilita que você use bermudas sem muita preocupação. Exemplos disso podem ser locais mais secos e desertos, de vegetação rasteira ou mesmo florestas densas, mas que já exista uma trilha aberta e com caminho amplo sem necessidade de caminhar em meio à vegetação fechada. Mas em caso de vegetação mais densa como florestas tropicais ou campinas de grama mais alta, o ideal é usar calça. Mesmo em regiões de clima mais seco, como Caatinga ou Cerrado, a vegetação pode não ser tão densa em folhagem, mas existem muitas vegetações espinhosas. Logo, o uso de manga comprida e calças ajudam a se proteger de arranhões.

Vegetações diferentes nas trilhas
A trilha varia de acordo com cada tipo de vegetação.

Trechos molhados

Se a trilha é destinada a uma cachoeira ou praia deserta, é óbvio que a maioria já irá preparada com roupas de banho, mas às vezes, a trilha é para um pico ou mirante, mas ele irá passar em locais alagados e você deverá passar dentro d’água. Então se informe e já vá preparado.

Atravessando riacho.
Fique atento se será preciso atravessar riachos ou alagados.

Clima

Esse item também afeta diretamente. Florestas fechadas não são frescas como se imagina em regiões baixas e planas, como mata atlântica de tabuleiro e floresta amazônica. Esse biomas são quentes e abafados. O uso de roupas leves é cruciais para se sentir confortável, mesmo que sejam compridas, para proteger braços e pernas de arranhões ou picadas de insetos. Já as florestas de altitude, são mais úmidas e frias e talvez você sinta frio quando parar por um tempo dentro dela, mesmo aquecido pela caminhada. Já em períodos de inverno e regiões elevadas, o clima é mais frio e você já se prepara para isso naturalmente. Mas saiba que mesmo no verão, noites e madrugadas em locais bastante elevados, pode-se experimentar temperaturas bem baixas. Um bom exemplo é o Pico da Bandeira, que fica na divisa do Estado de Minas Gerais e o Espírito Santo. Muitos dos trilheiros que sobem o pico desprevenidos sentem muito frio na madrugada, na espera pelo famoso nascer do sol. O clima lá no inverno chega a temperaturas negativas e no verão, podem ficar bem baixas, mesmo com o calorão do dia. Atente-se para isso.

Climas diferentes numa trilha
Mesmo no calor, roupas compridas protegem melhor de arranhões e insetos.

Animais

Algumas regiões possuem alto índice de animais rasteiros e peçonhentos, logo usar calçados de cano mais alto, como botas e botinas, calças mais grossas e largas, e camisas de manga comprida, ajudam a prevenir de possíveis ataques. Existem também insetos, que mesmo não tendo peçonha, são motivo de alertas, como vespas e abelhas. Já os maiores, como jacarés e onças exigem atenção. Fique tranquilo que uma onça dificilmente ataca um ser humano, ao menos que ela esteja acuada ou protegendo seus filhotes. Já os jacarés precisam ser considerados toda vez que for se aproximar de ambientes alagados, eles também tendem a fugir, mas se você se aproximar demais e ele não perceber, pode atacar por instinto e reação.

Sempre olhe para o chão e para onde irá encostar, seja passar entre folhas ou colocar a mão para firmar num tronco, galho ou pedra. 

Perigo de animais e cobras na trilha.
Não se atente apenas ao chão, observe também pedras, galhos e árvores.

Itens essenciais para levar em todos os tipos de trilha:

Como citado anteriormente, não existe uma lista única de itens a serem levados para uma trilha. A trilha pode ser a mesma, mas você pode ter várias experiências distintas de acordo com seu preparo, disposição e sorte. Para evitar problemas, é bom se atentar para alguns detalhes. Cada trilha tem seu nível de dificuldade e depende de certa determinação. Porém, alguns itens podem te ajudar em todas as trilhas e passeios do mundo! Alguns desses itens são:

Água potável 

Dentre todos os itens, esse é um dos mais importantes! Jamais esqueça de levar água para sua trilha. A água é indispensável. Tanto para beber, quanto para se lavar caso aconteça alguma coisa fora dos padrões, como entrar um inseto no olho, uma picada que irrite e precise ser refrescada, para limpar um corte ou arranhão. A água é um dos itens mais incômodos para levar, devido a seu peso considerável. Mas é um artigo que deve ser sempre carregado em quantidade considerável para que não corra o risco de faltar.

Existem alguns cálculos básicos para se saber quanta água levar. Em um dia normal um adulto precisa beber 2 litros de água, mas com atividade física isso sobe para uma média de 3,5 litros. Logo, se pretende fazer uma trilha de um dia inteiro e de alta intensidade, leve pelo menos 3,5 litros de água potável por pessoa, isso se a trilha tem riachos ou fontes de água doce limpa caso precisar se lavar. Já se o ambiente for seco, considere levar mais água.

Lanchinho

Independente de qual seja a distância, curta ou longa, carregue sempre um snack com você! Pode ser um pacotinho de bolachas, biscoito, paçoca (que dá muita energia na hora de fazer trilha) ou frutas (se a caminhada não for muito longa e quente). As melhores opções geralmente são os mix de castanhas e frutas secas, barrinhas de cereal ou aquelas barras super calóricas de chocolate, caso a trilha demande muita energia. Açúcar é um repositor de energia rápido, mas não se esqueça de levar algo salgado também. Só tome cuidado com os lanchinhos salgados, porque eles irão te dar sede e você vai acabar sentindo necessidade de beber mais água ainda.

Os lanchinhos ajudam, pois muitas vezes, por causa indistintas, a pessoa pode ter uma queda de pressão, ou de açúcar no organismo, e isso pode gerar uma série de preocupações se você não tiver nenhum lanchinho no bolso. Além de se prevenir, você ainda pode ajudar algum desconhecido que esteja passando por essa situação. 

Papel higiênico e lenços umedecidos

Os papéis, muito diferente da sua função convencional dentro de nossas casas, podem ser um grande aliado na hora da trilha. Tanto para assoar o nariz, ou fazer aquela necessidade no meio do mato sem precisar pegar folhas para se limpar. Eles ainda podem servir para limpar arranhões ou estancar algum corte pequeno.

Dica extra são os lenços umedecidos, que em caso de precisar usar a natureza como banheiro, ajudam a limpar de forma bem mais agradável e higiênica. Eles também ajudam a evitar assaduras.

Por mais que papel seja mais solvente e biodegradável, lembre-se de levar de volta seu papel sujo. Sim! O ideal é sempre recolher tudo que não é natural do local. Para isso, uma dica valiosa é levar sacos herméticos que isolam melhor o odor e as bactérias. E caso realmente precise fazer o número 2 durante a trilha, se puder, enterre ou cubra com terra, folhas ou areia. Evita que alguém acidentalmente pise, caso a trilha seja mais movimentada, e que animais se estressem devido ao odor de uma espécie diferente.

Curativos e remédio para dor

Não estamos dizendo que você vai precisar fazer uma tala – mas acredite, as vezes, muito raramente, acontece – mas arranhões, pequenos cortes em espinhos, pequenos furos podem acontecer. Um kit básico de primeiro socorros com bandaids, esparadrapo, gaze e similares podem ser uma mão na roda. Isso vale para qualquer passeio longo ou viagem. Outro item que pode salvar sua trilha são remédios para dor, como relaxantes musculares ou para dor de cabeça. Caso um mal estar ou dor física te acometa, você vai evitar sentir essa dor até voltar a um ambiente urbano mais próximo. E em caso de torção ou pancada, também conseguira suportar melhor o trajeto de volta.

Repelente e antialérgico

Trilha, lembra mato, e mato com certeza tem insetos. Seja num ambiente mais seco ou úmido e alagado, sempre haverão insetos de alguma forma. Porém, quanto mais água doce e umidade tiver, e estiver quente, maior deverá ser o índice de mosquitos, por exemplo. Repelente vai fazer toda a diferença no seu aproveitamento da trilha. Isso irá evitar que você fique se coçando desesperadamente e acabe afetando o ritmo da caminhada. 

Outro item importante de se lembrar, para as pessoas que sofrem com alergia, é o antialérgico. Não importa se a trilha demora horas ou dias, é um item que não pode faltar na sua mochila. Muitas vezes logo no início do passeio algum inseto pica você, e a trilha já perde todo o encanto. Por isso, se você sofre de alergia, não pense duas vezes em adicionar na sua mochila uma pomada anti alérgica e alguns comprimidos que você costuma tomar. Se você for uma pessoa alérgica, se previna para não estragar o passeio das outras pessoas. 

Proteção solar

Não pense que se você vai fazer trilha na floresta, não vai precisar de proteção solar. Existem trechos que muito provavelmente você estará em contato direto com o sol, como clareiras, ou escaladas em barrancos ou montanhas. Poucos minutos de exposição ao sol já podem tirar seu sossego a noite na hora de dormir, bem ardido. Isso sem falar no risco à pele.

Por isso é crucial usar protetor solar, bonés ou chapéus e se puder, roupas de proteção UVA/UVB. O que usar e vestir é um fator de suma importância, por isso falaremos dele agora.

Vestimentas e calçados

Regra primordial: Nunca faça trilha com sapato aberto, chinelos ou sandálias. Geralmente guias e parques vão exigir sapatos fechados e apropriados. Sapatilhas muitas vezes não são indicadas, então, não se arrisque. Use tênis apropriados para caminhada ou botas e botinas próprias para trilha e escalada.

Já tratando de roupas, já citamos alguns motivos pelo qual mangas compridas e calça são necessárias. Considere que você fará uma atividade de intensidade moderada a elevada. A tendência é sentir calor, mas quando parar, poderá sentir frio. Por isso casacos leves e pouco volumosos, fáceis de colocar e tirar, ajudam muito. Só use bermudas em trilhas abertas e sem vegetação densa. Urtigas, insetos, espinhos, entre outros. Existem muitos fatores a se considerar, na dúvida, use uma calça leve para não errar.

Escolha tecidos que respirem, impermeáveis e de secagem rápida. Normalmente trilhamos cedo e o orvalho da vegetação encharca as roupas quanto tocamos nas folhagens, por isso, lembre-se desse detalhe. Se o clima estiver chuvoso, é ainda mais importante o uso de tecidos de secagem rápida e/ou impermeáveis, e lembre-se de capa de chuva. Se acha que é muita coisa para levar, existem capaz descartáveis. São pequenas e leves, não ocupam espaço, mas ajudam muito se estiver garoando ou for muito úmido, como em cachoeiras e cascatas.

E se possível, use chapéu. Não apenas pelo sol, mas para proteger de qualquer coisa que esteja mais alta. Galhos, espinhos, folhas secas, tudo isso pode emaranhar em seu cabelo – caso tenha – e um chapéu ou boné ajuda a evitar isso. Um chapéu interessante é com aba no pescoço, aquela proteção que cobre o pescoço. Ele evita não apenas a incidência solar, mas arranhões no pescoço ou algum ataque de animais e insetos nessa região.

E fósforo ou isqueiro?

A resposta é ideal é não, mas carregar na mochila um fósforo ou isqueiro por precaução pode ser útil em casos extremos. Na pior das hipóteses podem ser muito úteis na hora de indicar uma localização através de fumaça, caso você esteja perdido. Parques e reservas ambientais não permitem a entrada de nada que possa causar incêndios, então fique atento. Caso decida levar para outros lugares, que permitam, mesmo assim, tome muito cuidado! O uso de fogo em meio às trilhas e unidades de preservação pode ser muito perigoso. Essa é uma das principais razões que acabam ocasionando incêndios florestais. Portanto, limpe bem o local de folhas e gravetos, deixe um raio maior que 2 metros somente com terra. Não use materiais muito leves, como folhas secas e gravetos, que possam fazer fagulhas, serem levadas pela brisa e causar incêndio mais a frente. E esteja sempre próximo a locais com água antes de fazer qualquer fogueira ou sinal de fumaça.

Agora que você já tem as dicas do que é indispensável saber e levar para uma trilha, ficou mais fácil.

Dicas extras: confira outras dicas importantes

Algumas dicas de forma geral já foram citadas acima. Porém, para que você esteja preparado para encarar a trilha, você precisa saber algumas coisinhas: 

  • Se puder, vá com guia. Por mais experiente que você seja em fazer trilhas, se não conhece o caminho que vai fazer muito bem, não se arrisque. Os guias conhecem caminhos, levam consigo itens que podem te auxiliar em casos atípicos e sabem lidar bem com o ambiente e animais, caso apareçam. Trilhas com guias profissionais e experientes são bem mais seguras e prazerosas.
  • Caso você veja algum animal, não se desespere e preferencialmente não corra. Se ele estiver um pouco distante, fique parado e deixe o animal passar e ir embora, ou desvie o caminho. Se estiver muito próximo, se afaste devagar sem dar as costas para ele.
  • Não é aconselhável fazer trilha quando o clima está chuvoso. Dependendo do local pode ficar bem escorregadio, uma vez que ambientes de mata fechada são mais úmidos naturalmente. Pedras e raízes já são ótimas armadilhas para nos fazer “estabacar” no chão. Além disso, podem haver riscos de deslizamento, e outros acidentes que podem deixar a trilha perigosa ao invés de prazerosa.
  • Não se esqueça de levar sacos de lixo, se der, leve herméticos também, para o lixo inorgânico. Não deixe lixo para trás. Animais podem se machucar ou comer e acabar asfixiados. Sem falar no tempo que alguns materiais levam para se decompor, então, o lixo volta com você!
  • Se for permitida a entrada, leve um objeto cortante, como um canivete. Sempre é muito útil caso precise cortar algo no caminho.
  • Se a trilha for turística, mas desconhecida por você, faça um levantamento detalhado de todas as características dessa trilha. Saber coisas como a quantidade de tempo, a distância, os desafios do caminho podem ajudar muito na hora da caminhada. Sabendo dessas características, você poderá se preparar melhor, utilizando os equipamentos certos e necessários àquela ocasião, como é o caso das trilhas que precisam de protetor auricular, bastão de caminhada, tênis específico, cordas, roupas especiais, entre outras. 

Se você é um amante de trilhas e aventuras, com certeza esse artigo caiu para você como uma luva! Mas se ainda está na duvida se vale a pena se embrenhar no mato, dê uma lida nesse outro artigo sobre passeios ecológicos, clicando aqui, e se motive para essa aventura. E aí, está pronto para sua próxima trilha? Esperamos ter ajudado de alguma forma! Se você tiver mais alguma dica legal, entre em contato através do nossos canais de comunicação. Vamos adorar saber das suas experiências.

SEGMENTOS

SELOS

ETIQUETAS

Leia também

SEGMENTOS
SELOS
ETIQUETAS
SEGMENTOS
SELOS
ETIQUETAS

2024 - Todos os direitos reservados